quarta-feira, 4 de abril de 2012

Situação delicada...

Oi pessoas!!

Hoje pela manhã, enquanto aguardava alguns retornos de clientes fui espiar o blog da Luciana Kotaka e achei essa postagem aqui.
Achei curioso pq ontem, numa rápida olhada na novela das 9 ví uma cena que acabou me chocando!
A mãe brigando com a filha que estava comendo sorvete. A mãe a chamava de gorda. Achei repugnante e tirei do canal logo depois, quando tava passando praticamente uma cena de sexo explícito!
Não, eu não assisto a novela.
Assisti a do Pereirão e depois de mais uma vez me arrepender de ter perdido tanto tempo pra acabar como acabou, decidi não ver mais nenhuma.
Não sei qual a história que rola alí praquela mãe brigar com a filha e a chamar de gorda e feia, mas achei muito cruel.
E hoje lendo a matéria da Luciana, percebo que existem mães e mães.
Vejo pela minha própria experiência.
Filhota está com 40 kilos! Vou medi-la hoje, mas acredito que tenha 1,30 e qualquer coisa...
Está obesa e sabe disso.
Até pouco tempo ela não ligava... super vaidosa, não tava nem aí.
De uns tempos pra cá... anda preocupada com o peso, com a barriga... mas não quer saber de dieta!
Ela gosta é de comer! Frase dela.
Vivo um dilema porque sei que ela precisa ou emagrecer ou parar de engordar e crescer.
Eu dou uma regulada na comida em casa... mas na casa da avó é liberado.
Não posso brigar com a avó (que tem dó quando ela diz que tá com fome!) e nem vigiar durante o dia...

Nunca chamei minha filha de gorda.
Mas vejo que ela pode sofrer por isso, inclusive na escola...
Ela não me contou, mas ano passado umas meninas magras da classe dela fizeram piadinha e isso eu sei pq meu sobrinho que estudava junto me contou.
Um dia ele chegou e disse: tia, umas meninas ficaram zuando a Ana e eu disse que ia dar porrada nelas!
Perguntei e ela disse que mandou as meninas se catarem (mandou se fuder mesmo).
Sei que isso não a incomoda mas tenho medo.
Algumas vezes em casa quando percebo que ela está exagerando eu falo: Filha, isso é... e ela termina a frase: Gordice.
Ela conhece os limites, mas tem dificuldade em seguir uma alimentação reduzida...
Não é de comer porcarias, até pq em casa eu não compro mais.
Vez ou outra preparo algum bolo, pudim, torta, mas não é sempre e procuro fazer (quando faço), da melhor maneira possível, utilizando leites desnatados, produtos light, etc.
Em casa não se toma refrigerante. E quando compro, é ligth ou diet. Sucos também. Açúcar refinado é bem pouco utilizado.
Invento receitas bem saudáveis e graças a Deus ninguém reclama, rsrs, mesmo quando a aparência não fica lá das melhores...
Não pego exageradamente no pé dela mas tô sempre de olho.
E esta semana filho voltou pra academia e ela quer fazer também.
Dai ele disse: vc não tem tamanho pra academia. Faça caminhada com a mãe!
Já estamos fazendo!
Penso em colocar em aulas de dança. Ela adora dançar!
Acho tão complicada e delicada esta situação...


Esta é ela... eu acho linda.


E olha o corpo dela... ela tem 8 anos e tem tudo isso!
Acreditem: a veiarada na rua vira o pescoço pra olhar pq apesar de  barrigudinha, ela tem corpo todo desenhado.
As pernas dessa menina são perfeitas!
Não dá pra ver direito pq tive que cortar (tinha outras pessoas), então, tenho medo que ela engorde mais e acabe ficando feia, com a saúde prejudicada e que sofra preconceitos!
Ai... que difícil viu...

Mas uma coisa eu sei: jamais faria como a mãe da matéria da Lu. Achei absurdo!

E vcs? O que me dizem???

Beijos.

14073

3 comentários:

A teimosa disse...

Oie.. bom..na minha modesta opinião..sua filha é capaz de dar conta de emagrecer só com atividade fisica sim..ela é linda.. e é só se mexer que tudo se resolve.. metabolismo de criança é mto rápido.. gasta rapidinho... meu caçula tem quase catorze anos.. come bastante .. mas é magro.. mas é pq joga bola todo dia desde os sete anos..e desde bebe nem ele nem a mais velha (que ta magra até demais) comiam bolachas recheadas ou refrigerante, sempre deixei pra comprar essas coisas só no final de semana, e mesmo assim em pouca quantidade... bjokas

Beth disse...

Minha querida, talvez a abordagem com a sua filhotinha (que é muito lindinha, sim) deva ser diferente. Os nossos argumentos, por mais corretos que sejam, nem sempre se adequam a alguém tão novinha como ela. Eu digo, principalmente, como já falei antes: o que ensina não é o que falamos, é o que fazemos. Se em casa ela tem fartura de coisas engordativas e vê a família, independentemente de quem é gordo, magro, mais ou menos, consumindo largamente, é o que ela quer fazer. Não adiantará dizer: ah, mas você está muito acima...
É complicado. Eu acho que ela tem que querer emagrecer e para isso, ela tem que ter motivações que uma menina de 8 anos, mesmo muito vaidosa, não tem!
Mas é preciso achar um jeitinho, o jeitinho especial para lidar com o assunto com ela. Porque hoje ela não liga, mas amanhã ligará e a sensação de 'eu poderia ter feito melhor' é horrível para uma mãe, mesmo ela sabendo que deu o seu melhor, mãe sempre acha que foi pouco. Mas isso é o de menos, o pior é ela mais tarde com muito mais peso, com mais riscos ainda para a saúde, os constrangimentos decorrentes, a dificuldade para vestir etc. Acho que é preciso mudar os hábitos em casa, não porque A está mais gordinha ou não, mas porque é o ideal para todos. Faça isso aos poucos, sutilmente, quando verem já estão no sangue.
Tenho andado um pouco mais ausente da blogosfera light do que gostaria, mas não largo de vez o meu bloguinho nem os meus companheiros de estrada, mesmo os que já não me dão mais o prazer da visita. Pudera, eu também tenho sido bem demorada a ir nos seus cantinhos.
Vim hoje em especial desejar uma Feliz Páscoa, seja mais uma vez esta data um marco de renovação da sua esperança, da sua fé, da sua confiança em si mesma. O seu renascimento para uma vida cada vez mais feliz, mais equilibrada, mais saudável, como merece. Beijos.
Beth
HTTP://aconquistablog.wordpress.com

Bruxa do 203 disse...

A tua filha é linda!

Passei a infância sendo chamada de gorda pela família (mãe, avó, tios, primos) e com isso aprendi a NUNCA chamar as pessoas de gordas. Acho legal incentivar a atividade física, não comprar coisas muito calóricas, mas chamar a criança de gorda não resolve, só cria raiva e trauma.

Progresso

NeoCounter